20 abril 2017

[Resenha] As Cores da Vida


AS CORES DA VIDA
Autora: Kristin Hannah
Editora: Arqueiro
Ano: 2016
Páginas: 352
Skoob


SinopseUma arrebatadora história sobre irmãs, rivalidade, perdão e, em última análise, o que significa ser uma família. As irmãs Winona, Aurora e Vivi Ann perderam a mãe cedo e foram criadas por um pai frio e distante. Por isso, o amor que elas conhecem vem do laço que criaram entre si. Embora tenham personalidades bastante diferentes, na verdade são inseparáveis. Winona, a mais velha e porto seguro das irmãs, nunca se sentiu em casa no rancho da família e sabe que não tem as qualidades que o pai valoriza. Mas, sendo a melhor advogada da cidade, ela está determinada a lhe provar seu valor. Aurora, a irmã do meio, é a pacificadora. Ela acalma as tensões familiares e se desdobra pela felicidade de todos – ainda que esconda os próprios problemas. E Vivi Ann é a estrela entre as três. Linda e sonhadora, tem o coração grande e indomável e é adorada por todos. Parece que em sua vida tudo dá certo. Até que um forasteiro chega à cidade... Então tudo muda. De uma hora para a outra, a lealdade que as irmãs sempre deram por certa é posta à prova. E quando segredos dolorosos são revelados e um crime abala a cidade, elas se veem em lados opostos da mesma verdade.



O livro conta a história de três irmãs, Winona, Aurora e Vivi Ann. Mas apesar de ser a história das irmãs Grey e seu pai amargurado, é mais focado em duas personagens - Winona e Vivi Ann.

Winona é a irmã mais velha, que após o falecimento da mãe, ainda com 15 anos, toma para si a responsabilidade de cuidar das irmãs. Com um pai distante, sem carinho e atenção, Winona sofre por só Vivi Ann conseguir elogios do pai.


“Winona via como aquela única ação – a entrega das rédeas – havia mudado tudo. Daquele dia em diante, a inveja se tornara uma corrente submarina, movendo-se em espirais sob a vida delas. Mas ninguém percebera. Não naquele momento, pelo menos.”


Vivi Ann, a “princesa” da família, amada por todos, sempre teve o que quisesse na vida, inclusive Luke, o grande amor de Winona. O que desperta mais rancor e inveja por parte da irmã mais velha.



Quando um forasteiro aparece e chama a atenção de Vivi, o que seria um alívio para Winona, não acontece, já é muito tarde. Winona já está dominada por seus sentimentos de raiva e rancor.

Acontecimentos e reviravoltas acontecem e distanciam mais ainda as irmãs, colocando-as em lados opostos. 



A história de Kristin Hannah é forte dentro do drama familiar. Como um sentimento mesquinho e atos impensados podem alterar uma vida toda?


“Algumas coisas não podiam ser esquecidas, mesmo com muito esforço. Humilhação. Perda. Inveja. Eram emoções que ficavam surgindo na superfície. No final, é muito cansativo mantê-las escondidas.”


Amor fraterno, lealdade abalada, disputas, perdas, mágoas e mentiras são temas bem tratados pela autora ao longo da história. 



Eu sou muito fã da autora e sempre me emociono muito em seus livros, onde a carga emocional é enorme.

Apesar de “As cores da vida” trazer temas fortes, o amor abalado entre irmãs e muitos outros pontos que são muito característicos na escrita de Kristin Hannah, esse livro não me conquistou muito. Não que seja um livro ruim, pelo contrário, a autora não decepciona. Porém não senti a mesma intensidade de livros anteriores.

Mas não deixo de recomendar, vale a pena sim e claro, cada um tem sua própria percepção. Então, leiam e depois me contem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não saia sem deixar um recadinho pra nós!

© Conduta Literária ♥ 2017 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo