26 maio 2017

Um pouco de... Martha Medeiros

Acho a maior graça...

Tomate previne isso, cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas não exagere...
Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos.
Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal pra minha saúde.

Prazer faz muito bem.
Dormir me deixa 0 km.
Ler um bom livro faz-me sentir novo em folha.
Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas depois rejuvenesço uns cinco anos.
Viagens aéreas não me incham as pernas; incham-me o cérebro, volto cheio de idéias.
Brigar me provoca arritmia cardíaca.
Ver pessoas tendo acessos de estupidez me
embrulha o estômago.
Testemunhar gente jogando lata de cerveja pela janela do carro me faz perder toda a fé no ser humano.
E telejornais... Os médicos deveriam proibir - como doem!
Caminhar faz bem, dançar faz bem, ficar em silêncio quando uma discussão está pegando fogo,
faz muito bem! Você exercita o autocontrole e ainda acorda no outro dia sem se sentir arrependido de nada.
Acordar de manhã arrependido do que disse ou do que fez ontem à noite é prejudicial à saúde!
E passar o resto do dia sem coragem para pedir
desculpas, pior ainda!
Não pedir perdão pelas nossas mancadas dá câncer, não há tomate ou mussarela que previna.
Ir ao cinema, conseguir um lugar central nas fileiras do fundo, não ter ninguém atrapalhando sua visão, nenhum celular tocando e o filme ser espetacular, uau!
Cinema é melhor pra saúde do que pipoca!
Conversa é melhor do que piada.
Exercício é melhor do que cirurgia.
Humor é melhor do que rancor.
Amigos são melhores do que gente influente.
Economia é melhor do que dívida.
Pergunta é melhor do que dúvida.
Sonhar é melhor do que nada!



Martha Medeiros é uma jornalista, escritora, aforista e poetisa brasileira.

E colunista do jornal Zero Hora de Porto Alegre, e de O Globo, do Rio de Janeiro.

24 maio 2017

[Resenha] Uma Amizade Sincera


Conto: Uma amizade Sincera
Autora: Clarice Lispector


Oie!

Hoje é dia do Desafio Literário Clarice-se do qual eu participo. E a resenha de maio é sobre o conto Uma Amizade Sincera.

O conto narra o cotidiano da amizade entre dois amigos - as confidências, a partilha de ideias, a convivência entre os dois. O que difere no conto é que, os momentos que comumente são valorizados em uma amizade convencional, é tido como um desconforto pelo amigo narrador. 

O narrador conheceu o amigo em seu último ano de escola e de lá pra cá tornaram-se inseparáveis.  Quando não estavam juntos, a troca de confidência era feita por telefone ou mensagens.

O tempo traz o desgaste natural das coisas e na tentativa de resgatar a amizade, ambos vão morar sob o mesmo teto. 

"Queríamos tanto salvar o outro. Amizade é matéria de salvação."

Mas o que parecia ser a salvação acaba distanciando ainda mais um do outro.  A alegria inicial dá espaço a falta de assunto. Só restava a amizade e nada mais. 

Toda tentativa de uma aproximação, pela busca de assuntos é fracassada. O período de férias é angustiante. A solidão, mesmo estando um ao lado do outro, é incômoda demais.

O conto é bem curto, porém traz muita identificação para nossa vida. Quem nunca teve uma amizade que com o tempo foi esfriando? Toda aquela euforia de começo, vai dando espaço a falta de conversa e encontros raros.

Mas, mesmo assim, a amizade não deixou de ser sincera. O distanciamento pode acontecer, mas os momentos passados ficam.

Clarice consegue analisar fatos do dia-a-dia de forma esplendida, a análise do comportamento humano está sempre presente e o toque poético complementam suas obras.


"Sabíamos que não nos veríamos mais, senão por acaso. Mais que isso: que não queríamos nos rever. E sabíamos também que éramos amigos. Amigos sinceros."


Venha participar desse projeto e espalhar a literatura brasileira!

Até o próximo conto!


© Conduta Literária ♥ 2017 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo